23 setembro, 2011

Momento reflexão

...então assim, de repente, lembrei-me de Eduardo Galeano, autor que eu acho essencial, ainda mais dentro dessa rotina f.d.p. em que nos encontramos. E, visitando o blog do "Projeto Exilus", da Érica Cunha, eis que o abaixo texto estava lá. Meu processo de pesquisa também passa por esse viés. A possibilidade real de olhar pros lados, reconhecer o outro, reconhecer-se diferente, assumir que alguns problemas também são seus, afinal de contas.


Os Ninguéns - Eduardo Galeano


As pulgas sonham em comprar um cão, e os ninguéns com deixar a pobreza, que em algum dia mágico de sorte chova a boa sorte a cântaros; mas a boa sorte não chova ontem, nem hoje, nem amanhã, nem nunca, nem uma chuvinha cai do céu da boa sorte , por mais que os ninguéns a chamem e mesmo que a mão esquerda coce, ou se levantem com o pé direito, ou comecem o ano mudando de vassoura.

Os ninguéns: os filhos de ninguém, os dono de nada.
Os ninguéns: os nenhuns, correndo soltos, morrendo a vida, fodidos e mal pagos: Que não são embora sejam.
Que não falam idiomas, falam dialetos.
Que não praticam religiões, praticam supertições.
Que não fazem arte, fazem artesanato.
Que não são seres humanos, são recursos humanos.
Que não tem cultura, têm folclore.
Que não têm cara, têm braços.
Que não têm nome, têm número.
Que não aparecem na história universal, aparecem nas páginas policiais da imprensa local.


Os ninguéns, que custam menos do que a bala que os mata.
.
.

2 comentários:

  1. Amo galeano, reconhecer e viver o problema dos outros, que também são os dele, que viveu tanto a ditadura da américa latina.

    este acho que é do Livro dos abraços.
    e outro do mesmo livro é um dos meus preferidos:

    "Certa manhã ganhamos de presente um coelhinho das Índias. Chegou em casa numa gaiola. Ao
    meio-dia, abri a porta da gaiola. Voltei para casa ao anoitecer e o encontrei tal e qual o havia deixado: gaiola adentro, grudado nas barras,tremendo por causa do susto da liberdade"
    [O Medo - Pg 111]

    um beijo mestre.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto, mas ainda não conhecia o autor.
    Bjs e fik c Deus.

    ResponderExcluir